Sinais e Material Educacional Media - mito e realidade

"Livre" Media - mito e realidade por Runway revista

Sinais e Material Educacional Media - mito e realidade. Sou Eleonora de Gray e sou Presidente da RUNWAY REVISTA. Portanto, este não é um ensaio jornalístico ou ficção. Esta é uma análise simples do media mercado: onde perdemos no passado, o que podemos obter no presente e o que podemos recuperar no recurso.
Existe um mito sobre revistas e online media, e principalmente na moda, que deve ser quebrada e para todos.
Você não tem ideia de quantas vezes designers de moda conhecidos, arquitetos, artistas, designers emergentes me contataram e perguntaram se gostaríamos de publicar um artigo sobre eles em nossa revista e nossa plataforma web, mostrando o quão grandes e talentosos eles são e seus “know-how” excepcional. Eles então enviam seus look-books e me regozijam com o quão excepcionais eles são. Maravilhoso! E quando recebem nossos preços, ficam muito surpresos: “Ah ... eu sabia que tinha que pagar para publicar”.
Você não sabia? Você cria seus vestidos, designs, decoração de interiores e depois os dá aos clientes de graça? Não, você os vende. É um mercado básico - você produz e vende sua produção. Por que deveria ser diferente para media produtos?

Runway Notícias da revista Media

O que exatamente faz media produz? Media produz uma “voz” no mercado, uma “voz” que todos podem ouvir no coração e na mente, tão querida imagem de si que corresponde a um sonho que todos têm, “o que eu quero ser”. E, como resultado, cada pessoa que ouve isso media “Voz” e vê que corresponde a um sonho, quer ter este produto como mais um passo para um sonho. “Quero ter uma aparência jovem - compre este creme”, “Quero parecer magra - compre este vestido”, “Quero ter uma aparência rica e bem-sucedida - compre sua casa e carro, e este banco vai lhe dar um empréstimo para isso,” - ali Existem muitas fórmulas mágicas no mercado.
Digamos media produz um “produto” psicológico. Todo mundo, bem ... quase todo mundo paga a um psicólogo para se sentir melhor. Todo mundo paga para o media ouvir a “voz” dos próprios sonhos e saber os passos para alcançá-la. Porque somos nós que realmente possuímos essas fórmulas: imagens e slogans, estamos falando de você e dos seus sonhos.
Então, quando você tem um produto para vender no mercado, passa a ser conhecido e estabelecido media : revista ou plataforma online, e você gostaria de usar porque é popular, porque é respeitável, porque tem muitos leitores e seguidores, por causa da alta expertise proposta por este mediaporque no final do dia media ainda é um criador de tendências. Então, por que deveria ser “grátis”?
Tudo isso é um media “know-how” da empresa. Quão media a empresa pode pagar salários, aluguel de escritórios, imprimir se tudo media as propostas da empresa devem ser “gratuitas”? Eu nem estou mencionando on-line media.
Eu acredito que é hora de falar sobre isso. E há uma mitologia e realidade para isso.

"Livre" Media - mito e realidade por Runway revista

Mitologia

Uma vez ... mais de 100 anos atrás, no início de media, quando jornais e revistas começaram a existir, brilhantes mentes comerciais, fundadores da primeira media empresas, rapidamente perceberam que notícias rápidas trazem popularidade, popularidade - possibilidades de imprimir e distribuir mais cópias, mais cópias abrem uma nova “mina de ouro” comercial absolutamente fantástica - publicidade.
Todo mundo quer publicar notícias sobre sua empresa ou novo produto em jornais ou revistas populares. Mas como chamar a atenção da revista popular? Escândalo. Você não pode criar um escândalo se você produzir um novo chá ou creme. Você pode envolver um artista e seus modelos nus para fazer uma performance de rua. Mas ... hey, não há grandes artistas e modelos nus o suficiente para se apresentar para todos os produtos produzidos, nem mesmo hoje em dia. E naquela época você também tinha que pagar um grande artista e suas modelos nuas por uma performance. Eles também precisam comer e pagar o aluguel.
Notícias “grátis” nunca foram uma opção fácil, nem nos dias de hoje, nem nos nossos dias. Portanto, notícias “pagas” eram uma solução mais barata para promoção do que envolver um artista. Você vende seu produto, usa seu dinheiro para novas produções e notícias pagas. “As pessoas sabem - as pessoas ouvem - as pessoas compram”, é media fórmula mágica. Media as empresas da época ganhavam bilhões com isso. É assim que PRIMEIRO mito nascermos.

"Livre" Media - mito e realidade por Runway revista

Então, por que as notícias sobre novos produtos deveriam ser “gratuitas” hoje? Por causa da nova “ferramenta” da internet? E todos podem ser populares e criar suas próprias notícias de “álamo”? Bem não! Voltarei a isso mais tarde.
50 anos depois das “notícias” pagas - a “publicidade” criou seu próprio nicho de mercado e se tornou uma parte independente do setor. Não é mais suficiente botar pra fora uma garota bonita com a frase “compra minha bebida, que bom”. Existem tantas outras empresas que também usam garotas bonitas com frases do tipo “compre minha bebida” em diferentes jornais, revistas e outdoors. Como tornar meu próprio produto diferente? Afinal, quero que o público escolha minha produção.
As agências de publicidade, que criaram imagens excelentes e slogans de promoção, que tocaram milhões e trabalharam em uma forte estratégia sociológica e psicológica, ganharam bilhões no mercado naquela época. Os produtores (designers, agricultores, todos os que produziam produtos para vender no mercado) tornaram-se dependentes da imagem e do slogan associados à sua produção. Nada mudou desde então.

Coca Cola, sim menina, Runway revista

Mas, com o tempo, a compreensão e o conhecimento dessas estratégias de marketing, com base em imagens e slogans fortes, acabaram com os compradores. Porque? Simplesmente porque o “clichê” desenvolvido na época funcionou tão bem que as agências de publicidade perderam esse conhecimento com o tempo, e hoje não têm interesse em buscar novas estratégias. Eles apenas usam e reutilizam o que foi usado e funcionou décadas após décadas. Por que reinventar a “bicicleta”?
É por isso que mesmo 50 anos depois ainda vemos na TV ou revista publicidade com crianças ou papoulas e slogans sem sentido não relacionados ao produto promovido. E isso volta para media - media não controlam mais imagens comerciais e slogans como costumavam fazer. Mas aos olhos do público, o SEGUNDO mito nasceu, e na realidade este foi um PRIMEIRO fiasco of media. Media antigamente não conseguia lidar com o conteúdo de notícias e a criação de imagens comerciais com notícias “pagas”. Portanto, notícias “pagas” não pertenciam à produção de media empresas por mais tempo.

Publicidade ridícula para Gilette raiser

30 anos depois, as agências de publicidade criaram seu nicho forte no mercado. Alguém tem que estar entre media e agências de publicidade, simplesmente para vinculá-los. Há muitos medias, existem tantas agências de publicidade e produtores, que deveria haver uma agência que pudesse sugerir, vincular e distribuir notícias "pagas" para os que correspondiam media : salada para saladas, creme para cosméticos, vestido para vestidos, e assim por diante. Os produtores não conseguem encontrar por si próprios o melhor correspondente media por suas notícias “pagas”. Isto é o TERCEIRO mito e SEGUNDO fiasco of media.
Aos olhos do público media as empresas ganhavam muito dinheiro com publicidade em jornais e revistas. O custo de uma página anterior é muito caro. Mas media deixe até mesmo essa parte do “bolo” do mercado, como media as empresas não conseguiram navegar no mercado, pesquisar e ganhar a confiança dos produtores, que gostariam de publicar as suas notícias com elas.
Além disso, as agências de publicidade desenvolveram seu produto psicológico - consultoria. Eles não produziram nada - eles consultaram de acordo com sua experiência e conhecimento de marketing onde é melhor colocar notícias “pagas”. Por isso eles carregaram pesadamente media empresas. Porque? Porque como o “curador” dos produtores, eles sugeriram e escolheram os “melhores” media para colocar notícias “pagas”.

Sinais e Material Educacional Media - mito e realidade por Runway revista

Realidade

Há 15 anos, um novo fenômeno massivo atingiu todas as esferas do mercado - a Internet. Com este fenômeno “portas” se abriram para quem quer ser “popular” e contar suas novidades.
E outra parte de media mercado - comunicação, foi levado pelos blogueiros, segundo os quais todos podem ser “populares”. Usando métodos de marketing de 100 anos de "notícias" pagas, os blogueiros começaram a postar suas "notícias" em todas as redes sociais media redes e seus próprios blogs. A ÚNICA diferença é que os blogueiros postavam notícias sobre si mesmos, promovendo sua própria imagem e sonho: “Olha, eu entro na zona VIP, estou com estrelas de cinema, sou rico e famoso, e olha o que visto e onde eu ficar".
Os blogueiros de fato usaram o mesmo clichê de 100 anos atrás para “notícias” pagas. A única diferença é que essas “notícias” não são sobre produtos, ou pessoas que compram os produtos e realizam seus sonhos, mas essas notícias são sobre divulgadores / blogueiros e seu estilo de vida. A virada egocêntrica do evento é um TERCEIRO, e provavelmente o maior fiasco de media.

Sinais e Material Educacional Media - mito e realidade por Runway revista

Os blogueiros mostraram a todos com acesso à internet e redes sociais media redes como Facebook, Twitter ou Instagram que todos podem ser populares e todos podem espalhar notícias sobre seus produtos - imagens próprias ou produção, não importa. Não é necessário marketing - apenas grite em voz alta. No início, os blogueiros tiveram enorme sucesso porque sua “voz” era considerada a voz do público, dos compradores, e não dos especialistas, com base na fórmula simples dos blogueiros “gosto ou não gosto disso”. Mas, 10 anos depois, a falta de estratégias de marketing e tendências egocêntricas na comunicação mostraram que comercializar um novo produto em plataformas de internet, com público gritando sobre si mesmo, é simplesmente impossível. Ninguém vê ou lê, ou mesmo recebe as notícias. O fenômeno do sucesso no Facebook ou Instagram hoje é felizmente compreendido por muitas pessoas: “Ser famoso no Facebook é como ser rico no Banco Imobiliário”.
Então, quando você pensa que não precisa pagar para media empresa para comunicação sobre seu novo produto nas redes sociais media, você pode simplesmente fazer você mesmo ou dar ao facebooker “de graça” e vai funcionar - é aí que você está errado. Posso garantir 100% que NÃO, não vai funcionar. “Trabalho” significa - você vende seu produto. Com a comunicação “gratuita” oferecida a facebookers ou blogueiros, você nunca venderá seus produtos. As pessoas são muito generosas quando se trata de elogios: “o que você faz é tão bom”. Mas ninguém vai comprar.
O Facebooker egocêntrico, como qualquer blogueiro, falará sobre si mesmo e como experimentou o seu produto. É por isso que ele não pode vender o seu produto - ele não consegue nem mesmo vender o seu ponto de vista! Ele não é um especialista, não conhece qualidades, não tem nenhuma associação com o passado histórico - é apenas um “testador” no mercado de hoje. O Blogger de hoje não será ouvido entre todos os blogueiros gritando, que estão experimentando produtos diferentes. Notícias “grátis” têm vendas “grátis”. Você só poderá dar seus produtos “de graça” após essa comunicação para outro blogueiro, que também irá promovê-los para você. E você, como produtor, perde porque, na verdade, deu seus produtos “de graça”.

Sinais e Material Educacional Media - mito e realidade por Runway revista

Alguns blogueiros conseguiram chegar a um certo nível de especialização e realmente promover e vender os produtos. Isso foi a vanguarda do marketing 5 anos atrás, quando os blogueiros, por meio da comunicação, conseguiam vender produtos diretamente de seus blogs. Eles se tornaram uma forte ferramenta de comunicação online para o comércio eletrônico aberto.
Na gritante comunidade online, muitas pessoas se perderam porque simplesmente não sabem mais a quem seguir, então as pessoas se atêm ao que sabem - à moda antiga, aos especialistas.
E é aí media é hoje. Depois de três pedaços perdidos do “bolo” de mercado: criação de imagem / slogan de notícias “pagas”, expertise em marketing e comunicação media as empresas ainda estão tentando manter sua posição no mercado. Mito sobre media A riqueza da empresa pela publicidade produzida e colocada em seus jornais ou revistas é uma mitologia absoluta, e principalmente hoje.
Media empresa hoje produz um conteúdo. Pois essa empresa precisa de jornalistas profissionais, fotógrafos e especialistas com conhecimento para manter o público e o interesse. Essas posições são pagas. Ninguém escreve “de graça”, principalmente profissionais. Media a empresa precisa pagar aluguel e precisa se manter atualizada com as novas tecnologias e novos media ferramentas, como a otimização de mecanismos de busca, para ficarem visíveis em meio a todo esse caos de informações. E, novamente, você precisa de profissionais para isso. Ninguém vai criar um web-site e mantê-lo atualizado, criar SEO (search engine optimization) “de graça”.

Sinais e Material Educacional Media - mito e realidade por Runway revista

então, media a empresa supostamente cria uma imagem / slogan para uma marca - raramente. Media a empresa supostamente recebe enormes lucros com a publicidade publicada. Na realidade media empresa recebe apenas 30% da publicidade, 70% da publicidade publicada vai para agência de publicidade. Media a empresa supostamente recebe lucro das vendas das revistas. Novamente, não na vida real. A produção de alta qualidade exige um grande investimento. As pessoas hoje não compram revistas caras, as pessoas compram de baixa qualidade, mas mais baratas, ou lêem on-line “de graça”. Distribuidor fica com 70% das vendas. Então a realidade dói: 30% da publicidade nem dá para pagar o aluguel, 30% das vendas nem dá para a produção. E como media a empresa deve pagar os salários a jornalistas, especialistas, fotógrafos, gerentes de marketing e vendas?
Perdendo milhões, mantendo velhas estratégias e velhos métodos de marketing alguns media as empresas apenas sobrevivem. E de novo, não realmente. Grandes empresas estão perdendo milhões ano a ano, médias e pequenas empresas estão fazendo outra coisa depois de tentar media negócio há alguns anos.
Alguém viu, pelo menos, o mercado de ações da Conde Nast? Eu recomendo fortemente que você faça isso. E esta é uma grande empresa. E quanto aos médios e pequenos? Eles não podem sobreviver se não voltarem para a fonte - a fonte onde media começou e ganhou seu poder. A “fonte” é recuperar a capacidade de pesquisa de marketing, expertise, criação de publicidade de imagem / slogan, controlar e trabalhar diretamente com os clientes.
Media a empresa deve começar "tudo de novo", não reinventar a "bicicleta", mas recuperar o conhecimento de todas as ferramentas de marketing social e psicológico disponíveis, iniciar novas pesquisas, investigar clichês de trabalho, criar novos, obter conhecimento de marketing de tecnologias que mudam rapidamente, chegar a os corações e mentes das novas gerações, ser ouvidos e amados, obter técnicas “porta a porta”, etc.: tudo o que permite media para se tornar inteiro novamente e obter o monopólio.

Karl Lagerfeld vai para RUNWAY Festa oficial da REVISTA na loja WHSmith na rue Rivoli, Paris
Karl Lagerfeld vai para RUNWAY Festa oficial da REVISTA na loja WHSmith na rue Rivoli, Paris

E é isso que fazemos!

Estamos RUNWAY REVISTA e começamos essa jornada! Começamos cortando todos os terceiros entre nós e os produtores de produtos: designers, arquitetos, artistas, fazendeiros, cozinheiros e assim por diante. Por exemplo, cortamos publicidade. Não há publicidade em nossa revista ou em nossa plataforma web desde 2013. Por quê? Porque não queremos mais pagar a terceiros. Por que deveríamos? Quem disse que precisamos que eles fiquem entre nós e os produtores? Quem pode provar que tem maior experiência do que nós? NINGUÉM! PROVAMOS DE OUTRA FORMA! Não copiamos ou reproduzimos clichês. Vamos diretamente aos produtores e recriamos uma imagem de seus produtos com um novo visual, com base nas necessidades emocionais das pessoas HOJE. Usamos formas criativas de apresentar produtos ao mercado - isso é NEWS. Somos nós que renovamos as tecnologias de marketing! Estamos na vanguarda! E os produtores não precisam de terceiros para colocar seus produtos no mercado.

TEMOS TUDO O QUE OS PRODUTORES PRECISAM!

Eleonora de Grey
Presidente / Editor-Chefe
RUNWAY MAGAZINE
www.RUNWAYREVISTAS.com