IP e o metaverso: novo
problemas, novas regras?

















IP e o metaverso: novos problemas, novas regras? Artigo da Professora Eleonora Rosati, advogada de Propriedade Intelectual.

Este artigo foi originalmente publicado pelo Gabinete de Propriedade Intelectual da União Europeia (EUIPO) na sua newsletter mensal 'Alicante News', em Novembro de 2022.

A Professora Doutora Eleonora Rosati é uma advogada de formação italiana com experiência em direitos autorais, marcas registradas, moda e leis da internet.

Professor de Direito de Propriedade Intelectual, Universidade de Estocolmo;
Diretor do Instituto de Propriedade Intelectual e Direito do Mercado (IFIM), Universidade de Estocolmo;
Of Counsel, Bird & Bird;
Professor Convidado, CEIPI-Université de Strasbourg;
Professor Visitante, Universidade Católica Portuguesa;
Pesquisador Associado, LegalEdhec-EDHEC Business School;
Associado, CIPIL-Universidade de Cambridge;
Editor, Journal of Intellectual Property Law & Practice (Oxford University Press);
'PermaKat', O IPKat;
Cofundador, Fashion Law London.

1 IP e o metaverso por Eleonora Rosati

CHANEL PRIMAVERA VERÃO 2023 – RUNWAY METAVERSO DE REVISTA

Introdução

E se um dia nos fosse possível viver e interagir em um único mundo virtual que fosse exatamente como o nosso mundo físico, exceto por ser – de fato – imaterial? Provavelmente não há necessidade de olhar muito à frente. Este é o conceito por trás de algo que já é muito 'real': o metaverso.

O metaverso: não é um conceito novo

Runway Expo Fashion Universe Spring Summer 2023 em 11 7 22 às 1 55 AM

Um termo usado pela primeira vez no romance de ficção científica de 1992 Bater neve por Neal Stephenson, o metaverso agora é relevante para pelo menos algumas partes de nossas vidas.

Basta pensar no setor de jogos. Lançada em 2003, a plataforma de mundo virtual Second Life é uma das primeiras aplicações do metaverso. Através do uso de avatares, os jogadores podem viver uma segunda vida virtual. Ao contrário dos videogames tradicionais, as interações no Second Life não são sustentadas por nenhum objetivo definido: elas são apenas 'existir' na plataforma e construir relações com outros jogadores'
avatares.

8 IP e o metaverso por Eleonora Rosati Louis Vuitton 2023 por Runway Revista Metaverso

Nos últimos dois anos, o conceito do metaverso foi significativamente reformulado e seu desenvolvimento sofreu uma aceleração substancial. Tudo isso foi motivado pelos mais recentes avanços tecnológicos, incluindo blockchain, a ampla disponibilidade de criptomoedas e o uso de tokens não fungíveis (NFTs) para digital ativos. Um NFT é melhor entendido como um digital certificado que comprove a procedência de um digital ativo (por exemplo, um videoclipe) e é diferente do digital próprio ativo.

Marcas tradicionais e bem estabelecidas também exploraram as novas oportunidades oferecidas pelo metaverso para se conectar com clientes existentes e potencialmente novos. Por exemplo, marcas de moda como Gucci (através de seu projeto Vault) têm experimentado com NFTs e digital roupas, que também foram vendidas no metaverso e na plataforma de jogos Roblox.

3 IP e o metaverso por Eleonora Rosati Chanel 2023 por Runway Revista Metaverso

O metaverso é, claro, sobre entretenimento também. Devido aos bloqueios impostos durante a pandemia do COVID-19 e a impossibilidade de realizar qualquer evento presencial (uma importante, senão a principal fonte de receita para músicos e artistas do setor musical), os artistas buscaram novas formas de se conectar com seus fãs. Em 2020, o rapper e cantor Travis Scott foi o primeiro a realizar um show dentro do popular videogame Fortnite. Quase 28 milhões de jogadores únicos participaram deste evento. Este é um número que seria difícil, se possível, de alcançar em qualquer arena 'analógica'!

IP no metaverso: novas estratégias… velhos problemas

6 IP e o metaverso por Eleonora Rosati Fendi 2023 por Runway Revista Metaverso

Claro, assim como a propriedade intelectual (IP) é relevante para o mundo offline, também é para o metaverso. Talvez ainda mais!

Na Europa, as marcas que contêm a palavra «metaverse» já foram registadas com sucesso, incluindo com o EUIPO. Esses registros tiveram uma ênfase especial nos produtos da Classe 9, que incluem, entre outras coisas, software de computador. No final de 2021, o Facebook passou por uma rebranding operação e mudou seu nome para 'Meta', com o objetivo de sinalizar que seu core business avançando seria desenvolver ainda mais o metaverso. O registro da nova marca 'Meta' está sendo solicitado em vários países do mundo, inclusive no União Européia.

7 IP e o metaverso por Eleonora Rosati Hermes 2023 por Runway Revista Metaverso

É claro que o metaverso levanta questões importantes relacionadas à proteção de PI e se certas atividades podem ser controladas por proprietários de PI. Recentemente, a marca de luxo Hermes tomou medidas legais contra um digital artista para fazer e vender 'MetaBirkins'. Trata-se de uma coleção de bolsas virtuais autenticadas por NFTs e desenvolvidas sem a autorização do famoso fabricante das icônicas (e muito reais) bolsas Birkin.

Outro issue é que tipo de propriedade se adquire ao adquirir um ativo virtual autenticado por um NFT. Esta não é uma questão de pouca importância, considerando que os ativos virtuais autenticados por NFT podem ser vendidos por vários milhões de dólares americanos (USD). Basta pensar que o fundador do Twitter, Jack Dorsey, teria vendeu seu primeiro tweet autenticado por NFT por quase US$ 3 milhões e o músico Grimes a vendeu digital coleção de arte por US$ 6 milhões.

5 IP e o metaverso por Eleonora Rosati Fendi 2023 por Runway Revista Metaverso

Do ponto de vista da PI, o comprador de um digital uma obra de arte autenticada por uma NFT adquire, por padrão, a propriedade dos direitos autorais dessa obra de arte cunhada? E o que acontece se alguém comprar uma obra de arte autenticada por um NFT, que foi gerada sem a permissão do proprietário dos direitos autorais e passada como a 'coisa real'? Pode tal caso ser tratado como seria no mundo analógico, onde o trataríamos como a compra de arte forjada?

A lei de propriedade intelectual precisará apresentar novas soluções?

4 IP e o metaverso por Eleonora Rosati Louis Vuitton 2023 por Runway Revista Metaverso

Considerando todas as questões que o metaverso já levantou, é natural se perguntar se novas soluções são justificadas para respondê-las satisfatoriamente.

O que é importante lembrar é que, por sua própria natureza, a lei de PI foi constantemente desafiado pela evolução tecnológica. Basta pensar no advento de tecnologias como a imprensa, a máquina de fotocópias, o digital computador, e a internet, e todo o complexo issueé que eles
apresentaram aos tribunais e aos legisladores. Também constante ao longo da história da PI tem sido a capacidade geral dos princípios e disposições legais de PI existentes para acomodar tais desenvolvimentos. Dito de outra forma, não foi necessário 'reinventar a roda' todas as vezes.

2 IP e o metaverso por Eleonora Rosati Fendi 2023 por Runway Revista Metaverso

Podemos considerar que o issues apresentados pelo metaverso podem ser respondidos analisando a estrutura legal existente? Pode não ser muito otimista responder a isso com um (digital, claro) 'sim', enquanto desfruta de um dia ensolarado sentado em um parque de uma maneira analógica antiquada, mas ainda assim bastante agradável.

Eleonora Rosati

Aviso Legal:

Os links para sites de terceiros foram selecionados com base em uma busca aleatória. Os links fornecidos não sugerem que sejam as únicas ou preferenciais fontes de informação. Os proprietários de sites de terceiros permanecem os únicos responsáveis ​​pela precisão e confiabilidade dos dados e informações fornecidos em seu site. Observe que as informações fornecidas não refletem necessariamente as opiniões do EUIPO.

As imagens usadas para este artigo são as capturas de tela de RUNWAY Espaços do metaverso da MAGAZINE criados como modelos 3d dos artigos com participação de grupo de arquitetos, designers de interiores e designers 3d.

Visite a RUNWAY METAVERSO



Postado de Runway Revista, Paris França.